expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

5 VEZES EM QUE OS EUA INVADIRAM PAÍSES ALEGANDO QUE IRIAM PROMOVER A PAZ


 Com o discurso de combater ameaças terroristas, governo norte-americano já matou milhares de civis.

Afeganistão  
A Guerra do Afeganistão foi iniciada em 2001, logo após o ataque terrorista às Torres Gêmeas, financiado por Osama Bin Laden. Nesse mesmo ano, o presidente norte-americano George Bush se aliou à outras potências econômicas, como a Grã-Bretanha, e juntos bombardearam cidades afegãs. Para fazer a invasão, os Estados Unidos alegou estar reconstruindo a nação e instaurando a democracia no país. De acordo com um relatório divulgado, em 2018, pelo jornal The New York Times, as tropas estadunidenses atuam ainda hoje no país com o intuito de prevenir futuros ataques terroristas.

Iêmen
A Guerra Civil Iemenita iniciou-se em 2015 como um conflito territorial, mas logo foi intererida pelos Estados Unidos. A guerra se originou quando separatistas do sul e forças leais ao governo de Abd Rabbuh Mansur Hadi entraram em confronto com os Houthis e apoiadores do ex-presidente Ali Abdullah Saleh. Com o discurso de restaurar a paz, os Estados Unidos forneceram inteligência e apoio logístico para a campanha de Hadi. Atualmente, a AL-Qaeda e o Estado Islâmico controlam faixas territoriais do Iêmen. Além disso, esta guerra é marcada por massacres e violações de direitos humanos, que levaram a morte de diversos civis. Parte dos bombardeios foram promovidos por tropas norte-americanas, lideradas pelo governo Trump.

Iraque
Iniciada em 2003, a Guerra do Iraque foi um conflito originado a partir da coalizão militar multinacional liderada pelos Estados Unidos durante a Guerra ao Terror — período iniciado após os atentados de 11 de setembro de 2001. Diversas bombas aéreas foram lançadas pelo território iraquiano, principalmente em Bagdá. O governo de Bush alegou na época que o Iraque possuía armas de destruição em massa, e que o regime de Saddam Hussein era uma ameaça eminente para o ocidente. De acordo com o relatório lançado pelo The New York Times, em 2018, o foco do governo norte-americano mudou e atualmente busca preservar as conquistas alcançadas — como extração do petróleo. Além disso, treinam e equipam forças iraquianas com o objetivo de combater o Estado Islâmico.

Vietnã
A Guerra do Vietnã foi um conflito armado, ocorrido 1955 até a queda de Saigon, em 1975. Neste período, o exército norte-vietnamita era apoiado pela União Soviética e outros aliados comunistas, já os sul-vietnamitas eram liderados pelos Estados Unidos e nações capitalistas. O exército norte-americano tinha maior poder, devido sua supremacia aérea e tecnológica, promovendo diversos bombardeios contra seus inimigos. Nos anos 60, o envolvimento dos Estados Unidos aumentou na região, triplicando de tamanho em 1961 e novamente em 1962. A partir de 1969, o governo americano passou a investir na capacidade militar do Vietnã do Sul, visando reduzir sua participação no conflito, para não prejudicar seus objetivos estratégicos de expansão.

Síria
A Guerra Civil da Síria é um conflito interno, iniciadoa a partir de uma revolta armada, em 2011. O confronto começou após protestos contra o presidente Bashar al-Assad e atualmente abrange diversos aspectos, como políticos, econômicos e religiosos. Em Estado de Emergência desde 1962, os manifestantes sírios passaram a exigir maior liberdade de imprensa, direitos humanos e uma nova legislação. Aproveitando a situação, o Estado Islâmico passou a reivindicar por diversos territórios da região. Com medo da expansão do grupo terrorista, os Estados Unidos iniciou uma intervenção armada. Cerca de 1.500 soldados norte-americanos lutam ao lado de milícias das Forças Democráticas da Síria para controlar o Vale do Eufrates. As operações incluem bombardeios, treinamentos e fornecimentos de equipamentos e armas.

Nenhum comentário: